Pular para o conteúdo
25/04/2012 / sexochocolatesedinheiro

Machismo Feminino

Outro dia estava conversando com uma amiga sobre como nossa sociedade, mesmo depois da Revolução Feminista dos anos 60 e 70, ainda se mostra machista. As mulheres queimaram sutiãs, saíram nas ruas lutando por direitos iguais, conquistaram o direito de voto e adentraram no mercado de trabalho em profissões antes consideradas masculinas. Mas de que adianta tudo isso, se a mentalidade de muitos homens e – triste dizer – mulheres ainda vive o machismo de antigamente?

Não concordo com essa história de “homem não presta” ou “mulher não presta”. A verdade é as PESSOAS são capazes dos maiores atos de ternura e amor, e das piores atrocidades. Mau caráter está presente em homens e mulheres. Pesquisas dizem que os homens traem mais, mas as mulheres mentem melhor. O que, no fundo, significa que ambos cometem erros, magoam pessoas, sabem ser gentis, amáveis e carinhosos, como também desrespeitosos, amargos e cruéis. O ser humano é egoísta por natureza e só atos de amor o tornam melhor, naquele momento em que ele deixa se colocar como seu principal foco e passa a se importar com o outro. Mas essa já é outra história…

Vou falar de MACHISMO. Atos de gentileza são sempre bem-vindos, como abrir a porta do carro e entregar flores, seja do seu namorado ou da sua namorada. O que não se pode admitir é que o namorado ou a namorada que se coloca no papel de ‘homem da relação’, considere a parceira, mais feminina e delicada, como uma incapaz de se virar.
Já ouvi histórias de meninas femininas que namoravam meninas butches que agiam como homens machistas e não as deixavam ficar sozinhas num bar, justificando que elas não saberiam se defender, e ainda por cima as tratavam com grosseria. Agora eu pergunto: você não acha isso um tanto contraditório e lamentável?

Uma mulher que gosta de alguém do mesmo sexo deveria ser a primeira a compreender e respeitar o outro lado. Já presenciei, ainda, mulheres – heteros e lésbicas – falando que ‘pegaram um monte’, que fizeram e aconteceram na cama… um comportamento típico do machismo masculino. Onde fica o respeito pelo outro lado? E os sentimentos do outro? Acredito que isso vá além de machismo e chegue ao nível da imaturidade e superficialidade.

Seres humanos não são coisas, mas indivíduos com sentimentos e pensamentos próprios. Se você trata a outra pessoa como uma coisa, se coloca no papel de coisa também e quem gostaria de ser tratada apenas como um pedaço de carne? Não sei você, mas acredito que a vida é mais do que isso.

Já falei bastante e agora quero saber a sua opinião. O que você acha de mulheres – heteros ou lésbicas – e homens machistas?

Se quiser ser bem tratada, #beijomeliga , #mesegue

By @patequila

21/04/2012 / sexochocolatesedinheiro

Desp(ed)indo-me de Laryssa

Imagine-se vivendo um relacionamento de contos de fadas em que tudo ocorre perfeitamente bem. Você ama a sua namorada, o sentimento é recíproco. Vocês moram juntas há três anos, conhecem a rotina da outra, trocam beijos apaixonados nas esquinas do apartamento e fazem amor no chuveiro após uma briga. Assim éramos eu e Laryssa.
Nos conhecemos em uma campanha de óculos no verão de 2005. Haviam me falado sobre a beleza de uma das modelos: uma morena, cabelos ondulados, lábios fartos… não sei por qual motivo não dei atenção a sua descrição, mas após engatar minha 50mm na  antiga Nikon D40 e erguer minha cabeça, pude enxergar a mais bela construção realizada por Deus. Laryssa não era como qualquer modelo bonita, não era apenas um cintura afilada ou uma barriga batida. Assim como eram bem divididos seus sessenta kg, suas qualidades, belezas e defeitos eram proporcionais aos seus 1,62m.
Nosso relacionamento durou 5 anos, dois deles namorando e três casadas. Fugíamos completamente daquela piada em que se diz que lésbicas casam no segundo encontro. Caminhamos devagar. Conheci cada curva do corpo dela como se fosse uma exploradora de fósseis. Aos poucos já estudava até mesmo seus ossos, e como era excitante os meus nos dela.

Nos primeiros meses meu coração já obedecia sua voz, meus pêlos reagiam ao seu toque, meu corpo era visivelmente dela. Éramos duas mulheres formadas desde o princípio, já sabíamos o que queríamos, o que gostávamos, e não havia nada de curioso além da personalidade alheia. Aconteceu! Provavelmente o script do meu destino veio marcando ela como personagem principal da minha história. Era ela desde o momento em que meus olhos nus fitaram os dela.
Em um dia ensolarado de Outubro, Laryssa com os olhos cheios de lágrimas falou-me sobre o fim do seu amor por mim. Até hoje não entendo por que os céus não choraram comigo. Não entendo por que um dia tão lindo escureceu pra uma única pessoa no mundo. Após cinco anos eu ainda a amava com todo o fervor do início. Tinha o mesmo tesão em olhá-la pelo visor da minha câmera. Sofria das mesmas crises de ciúmes e continuava a rezar todas as noites pela nossa felicidade. Tudo se foi junto com ela. Meus sonhos ficaram pousados no rack da sala junto ao bibelô que compramos em Marrocos, nas férias de 2008. Meus ideais misturaram-se aos entulhos largados no escritório e, se eu me permitisse entrar lá para resgatar algo, provavelmente voltaria com aquele pingente em forma de borboleta que ela usava no pescoço e que ficou jogado na mesinha do computador.
Aí eu lhe arranco aquela imaginação perfeita que citei nas minhas primeiras palavras e lhe coloco em um trânsito de meia hora, olhando fixamente um backbus estampado pelo rosto da minha ex namorada. Trinta minutos vendo aquele sorriso lhe dizendo que para ela tudo passou, trinta minutos fumando dez cigarros para encurtar o tempo, para controlar as mãos trêmulas. Mais de dez mil pessoas devem ser seduzidas por aquele anúncio de sushi, diariamente, e eu compraria até mesmo a empresa se eles me prometessem devolver a Laryssa.
O doloroso de um relacionamento é que ele pode durar uma semana, mas o amor pode continuar vivo por dez anos. Não há vínculos entre os dois. Não há amizade entre a razão e a emoção. Eu continuo a conviver com a Laryssa em todos outdoors da cidade, em todos os folhetos, nos comerciais da tv. Ela continua ausente na mesa do jantar, no lado esquerdo da cama, na vaga da garagem… Às vezes penso que ela irá voltar quando arrancarem os cartazes. Que irá se desculpar pela falta que fez na minha vida, mas ela nunca volta. Jorge, o nosso cachorro, passou meses esperando na porta pelo retorno daquelas mãos delicadas que lhe acariciavam a barriga. Talvez ele entenda menos que eu o motivo de ter perdido algo de tão precioso sem ter feito nada. Uma vez eu tentei lhe explicar que não é preciso errar pra perder alguém, às vezes se perde pelo caminho correto também, ele nunca me entendeu, eu nunca me entendi. Ela não voltou pra mim, ela nunca voltou pro Jorge, ainda assim esperamos fielmente por ela.
Laryssa é uma parte de mim que se foi, como um membro perdido. É o que me faz lembrar todos os dias que um dia alguém abrirá a porta no seu lugar. É mais forte experiência de perda que já desfrutei. Laryssa é a esperança de que um dia vai dar certo e de que um dia deu certo.
Existem tantas dela pelo mundo, atormentando o coração de alguém que se viu abandonado antes de consultar o calendário sentimental do coração. Elas estão nas páginas do facebook estampando seus novos “relacionamentos sérios”, estão entonadas nas músicas do Nando Reis, pregadas nas paredes, tatuadas em tinta ou cicatrizes, residentes de outros nomes, mas provocam a mesma dor que a Laryssa me provoca.

 

by @capitu17

18/04/2012 / sexochocolatesedinheiro

Lesbianismo no Cinema

Filmes são um ótimo estimulante para namorados e futuros casais. O cinema não entra em nossas vidas só como arte, mas também como um aproximador de caminhos cruzados. Você conhece uma garota, algo te chama atenção ou até mesmo acontece o familiar “à primeira vista”, e como fazer para quebrar o gelo? Chamar para um cineminha é um pontapé inicial. Se a garota já é sua namorada ou se você quiser apostar em algo mais íntimo, talvez um cinema em casa seja uma boa pedida. Então está decidido, você organiza aquela sessão pipoca no aconchego do lar, mas ainda está em dúvida: “Que filme devo assistir?” Pensando nessa dúvida comum, nós daremos dicas de filmes GLBT para variadas situações.

AINDA NÃO NOS CONHECEMOS –
Você ainda não conhece a garota? Então provavelmente não irá querer deprimi-la no primeiro encontro, portanto não comece com nada dramático demais. Evite climas que vão lembrá-la daquele namoro mal resolvido. Nesse caso o mais certo é apostar nas comédias românticas.

Imagine Eu & Você

Livrando a Cara

Beijando Jéssica Stein
Todas as Cores do Amor

And Then Came Lola

SÁBADO À NOITE COM A MINHA NAMORADA –
Nesse fim de semana vocês decidiram ficar em casa e assistir um filminho. Nesse caso todos os gêneros caem bem, o que irá determinar a escolha é o estado de espírito do casal.

Um quarto em Roma

I Can’t Think Straight

Ligadas pelo desejo

Loving Annabelle

EU QUERO CHORAR! –
Você é do tipo de garota que acaba um namoro e resolve se afundar em lágrimas. Ainda não é a hora de dar a volta por cima, nada de festas ou baladas e fingir sorrisos não é contigo. Então está à procura de um filme que lhe permita chorar desesperadamente e curtir o seu fundo de poço, mas na televisão só está passando “Titanic” e você cansou de ver o Jack morrendo. Fique atenta para a nossa lista “doce melancolia”:

Assunto de Meninas

Como esquecer

A POLÊMICA DO DRAMA –
Estão interessadas em algo mais polêmico ou em uma história baseada em fatos reais? Então temos ótimas dicas para quem quer se aprofundar nesse estilo dramático.

Meninos não choram

Monster – Desejo Assassino

GIA – Fama e destruição

Pra quem já assistiu todos os longas àcima, preparamos uma lista extra com mais filmes lésbicos.
*A excêntrica Família de Antônia
*Fogo e Desejo
*Desejo Proibido
*O Diário Roubado
*Henri e June
*Vicky,Cristina,Barcelona
*Amigas de Colégio
*Almas gêmeas
*But I’m a Cheerleader
*Aimée e Jaguar
*Meu amor de verão
*Coisas que você pode dizer só de olhar para ela
*Tomates Verdes e Fritos
*Nathalie X
*Cisne Negro
*Matadores de vampiras lésbicas
*Minhas mães e meu pai
*As horas
*Frida
*Femme Fatale
*Fingersmith

Besitos da amante polêmica, @capitu17.

16/04/2012 / sexochocolatesedinheiro

Trilha Sonora na Hora H

Seja para um amor romântico ou para uma pegada mais forte, a trilha sonora pode ajudar a dar o clima na hora H. Ajuda a relaxar e complementa o embalo de sensações que nos envolvem no momento íntimo com nosso parceiro – ou parceira.

A pedido de uma leitora do blog (@shaneismybitch), selecionei algumas músicas que, particularmente, eu gostaria de ouvir naquele momento.

Se as preliminares envolvem um streptease ou uma dancinha provocativa, Seven Nation Army de White Stripes pode ser uma boa pedida. As mais antigas da Madonna, como Vogue ou Frozen, algumas de Britney, de Rihanna, de Shakira ou Motivation de Kelly Rowland também podem ajudar. O começo da música Music is My Hot Hot Sex também é interessante. Aí vai do gosto de cada um.

Para amassos e uma transa caliente, Portishead é uma ótima ideia, ou mesmo um pouco rock, numa pegada meio Joan Jett. Evanescence e Dee Joy também têm músicas interessantes para os finalmentes.
Mas se a ideia é criar um clima mais romântico e de ‘amorzinho’, músicas francesas podem ser uma ótima ideia, como Carla Bruni ou Bebe, ou mesmo Juanes, NickelbackAlanis ou Gianluca Grignani.

O importante é que a música agrade o casal e que complete o envolvimento e o clima entre os dois. Você pode conversar com seu parceiro – ou parceira – sobre que tipo de música ele – ou ela – gosta de ouvir nos momentos mais íntimos. Assim, fica mais difícil de errar e mais fácil de surpreender. A dica é preparar uma playlist com músicas para a hora H e tornar aquele momento ainda mais interessante.

Afinal, é preciso relaxar, entrar no embalo e libertar a mente, para que o corpo responda ao que o desejo pede.

 

Sugestões, dúvidas, opiniões?

Beijos #meliga, #mesegue, #mandaDM ;D

@patequila

15/04/2012 / sexochocolatesedinheiro

A quem você confia os seus segredos mais íntimos?

Há algum tempo, questionei uma amiga do porquê da necessidade humana de compartilhar seu sofrimento com outras pessoas. Já notaram como a maioria das histórias que fazem sucesso tem enredos dramáticos? A história mais conhecida mundialmente, Romeu e Julieta, é baseada em um final nada feliz. Parece que as pessoas têm um prazer em escutar, contar e compartilhar sofrimento. Um namoro chega ao fim e antes mesmo de se pensar no sofrimento vem o desejo de contar para aquela amiga todos os detalhes do fim e como isso lhe dói. O problema não é compartilhar sua intimidade e divulgar sua dor, mas sim quem você escolhe para isso. O mundo gira em torno de uma palavra simples na escrita e difícil na prática: confiança.

Não entendam como rotulação, mas as mulheres têm essa necessidade maior de contar seus segredos e pedir conselhos sobre sua vida amorosa. Amigas ligam umas para as outras para contar sobre a primeira transa com o carinha por quem estão apaixonadas, para falar sobre a nova namorada do ex, e até para expressar a raiva que sente daquela menina que anda cutucando o facebook do seu namorado. Longe de mim insinuar que os homens não fazem isso, pelo contrário, homens e mulheres não se diferenciam pelo sexo, mas sim pelas atitudes. Conheço homens que já tiveram sua confiança traída, assim como mulheres também, portanto, falo em confiança no geral.

Todo mundo vive duas vidas: a íntima e a pública. Quando a intimidade vai à praça significa que houve falha na comunicação. Sem contar que uma história repassada é como um telefone sem fio, chega a um destino com todas as informações retorcidas. Não há como viver sepultando seus segredos, uma hora a necessidade de se expressar e escutar a opinião alheia chega sorrateira.

Hoje eu escutei uma frase que me deixou pensando sobre isso: “Todo mundo precisa de alguém em quem confiar”. É verdade! Não há relacionamentos ou amizades sem confiança. A única coisa que se deve observar é quem merece nossa confiança. Não são todos que estão aptos, nem todos são amigos. Infelizmente, a vida é um duelo de titãs e nunca se sabe quando alguém pode nos apunhalar uma espada pelas costas. Confie em alguém que já lhe provou que é digno da sua amizade. Confie, porém, com cautela, na pessoa que dorme ao seu lado. Não deixe de confiar, e ainda que quebre a cara com uns, confie nos outros. E, se um conselho me fosse concedido, eu diria: “Não se desespere diante dos problemas. Não grite seu sofrimento pela rua dos amargurados. Segredos são para uns, mentiras nós deixamos para os outros”.

By @capitu17

14/04/2012 / sexochocolatesedinheiro

Signos e Mulheres

Cena comum: você se vê interessada naquela pessoa e descobre logo qual o signo dela. Não perde tempo e já procura sites de astrologia e horóscopo para ler sobre a combinação entre o signo de vocês, nem que seja ‘só por curiosidade’. Ou vai me dizer que você, mulher, nunca fez isso?


Quando pensamos em arriscar numa nova possível relação, parece que precisamos avaliar os riscos, numa tentativa de não ‘quebrar a cara’ novamente. É a busca por um fio de esperança de que algo do além nos mande um sinal, dizendo que tem todas as chances para dar certo, o sinal de que precisamos para nos jogarmos mais.

Nesse período é que buscamos saber mais sobre a outra pessoa: do que ela gosta, onde ela costuma ir e, claro, qual o signo dela. E já começamos a imaginar como seria. Se a combinação do signo disser que a relação tem tudo para ir para frente e promete um rio de felicidade, você já fica com os olhos brilhando e cai de cabeça. Caso contrário, fica com o pé atrás, mas, se quer muito, teima em continuar, tentando provar que ‘aquela porcaria de combinação está errada e eu vou mostrar’. Não é mesmo?

Afinal, mulheres são teimosas, e adoram uma dificuldade. Principalmente, se for lésbica. Aí sim: amores impossíveis e platônicos pela amiga hetero, amores que moram longe… Mas esse é um assunto que irei tratar em outro post ;D

Mas sabe… essa história de signo em alguma coisa acerta. Não acredito em horóscopo – não vem me dizer que vai acontecer a mesma coisa com todo mundo que é do mesmo signo, que vou te mandar pastar -, mas em astrologia, no que se refere à característica de pessoas do mesmo signo, tenho que concordar: muita coisa bate.

Nas minhas aventuras, pude fazer uma espécie de estatística – já que desde a adolescência tenho essa mania de analisar signos – e sim: pessoas do mesmo signo têm semelhanças de comportamento, uma certa tendência a agir de determinada forma a diversas situações. Por exemplo, arianas são impulsivas, briguentas, gostam de conquistar. Se têm a pessoa totalmente na mão, perdem um pouco do interesse. Precisam de estímulo, da conquista. São mandonas, ciumentas, e gostam de sexo mais do que lasanha – desde que tenham descoberto como isso pode ser bom.


Piscianas são misteriosas, românticas, sensíveis e têm uma tendência a serem Don Juans quando sabem do poder que podem ter sobre a outra pessoa. São inseguras, em sua maioria, mas sabem disfarçar. Ciumentas e possessivas, mas atenciosas, brincalhonas – às vezes palhaças – e sensuais. Difícil saber o que se passa pela cabeça delas. Sabem encantar com seu canto de sereia, mas podem te afundar em seu oceano sem fim. São inconstantes e têm dois lados: o lado desapegado em que pegam, fazem bem e não se apegam (tipo a Shane), e outro meloso e apaixonado, que revelam a poucos.

E o que falar das aquarianas? Bem… Vai um conselho: não tente prendê-las. Elas gostam mesmo é da liberdade. Gostam de expor suas ideias e debatê-las, adoram pessoas que saibam conversar sobre os mais variados assuntos, discutir ideias, mas não lidam muito bem com sentimentos. Preferem ficar no mundo dos pensamentos, que dominam com mais facilidade, pois o terreno dos sentimentos parece uma areia movediça para elas. Gostam do que é diferente e não curtem pessoas muito limitadas e cheias de preconceitos. Podem ser ótimas amigas.

Quanto às taurinas, vou logo avisando: são sensuais, racionais, ciumentas e gostam de alguém que lhes dê certa estabilidade. São mandonas, geralmente, teimosas e têm dificuldade de admitir erros. A maioria tem facilidade em distorcer as coisas, de modo a fazer você se sentir culpada e pedir desculpas por algo que, na verdade, elas é que fizeram.

E gêmeos? Dizem que são duas caras, mas não concordo bem com isso. Na verdade, acredito que sejam pessoas que mudam muito. Quando elas dizem que acham algo, que sentem algo, que gostam de algo, realmente acham, sentem e gostam. O problema é que mudam de ideia e o que era, passa a não ser. São mulheres de mentes ativas, que não gostam da rotina – podem se entediar fácil com coisas e pessoas – e admiram pessoas inteligentes.

cancerianas, podem parecer ingênuas, românticas e frágeis, mas sabem manipular como ninguém (só perdem para as capricornianas). São envolventes, fofas, inconstantes – mudam de humor como quem troca de roupa – e muito ligadas à família. Podem ser ótimas namoradas, mas dificilmente serão totalmente fieis durante muito tempo. Mas, acredite: você dificilmente ficará sabendo se elas fizerem alguma coisa.

O que dizer das leoninas? Adoram holofotes! Dificilmente admitirão que gostam de ser o centro das atenções, mas a verdade é que gostam. Não suportam críticas e se deliciam com elogios. São egocêntricas, vaidosas, têm um charme natural, normalmente são boas no que se dedicam a fazer e adoram receber atenções – odeiam ser deixadas de lado ou colocadas em segundo plano. Podem ser ciumentas e impulsivas, mas dificilmente você vai vê-las choramingando muito tempo por alguém. Gostam de se mostrar superiores, pois são orgulhosas, e dão logo a volta por cima. Cuidado: seu brilho pode ser ofuscado por elas.

Virginianas são analíticas e bastante críticas – com os outros, pois também odeiam receber críticas. Elas têm um raciocínio rápido, geralmente são mulheres inteligentes e conseguem traçar toda uma análise da situação e das pessoas. Difícil saber inteiramente o que se passa na cabeça delas, a não ser que você seja amiga e elas te contem, ainda assim, sempre haverá cartas na manga. São racionais e calculistas, mas sensíveis e ciumentas. Desconfiadas, se abrem para poucos. Mas quando amam, se dedicam muito à pessoa amada e tendem a ser fieis.

E as librianas? Essas sabem ser envolventes, sensuais e delicadas. E vamos admitir: elas têm um charme natural. Apreciam o que é belo, são sociáveis e adoram estar rodeadas de bons amigos. Não tente isolá-las, pois isso poderá deixá-las infelizes. Deixe que elas interajam com as pessoas, pois elas gostam, e dê atenção, sem prender demais. Elas gostam de conversar sobre os mais variados assuntos, pois, como todos os signos de ar, têm a mente muito ativa. Podem ser bastante ciumentas e controladoras: saiba impor limites e tente passar-lhes segurança.

Chegamos, então, num signo polêmico: escorpião. Mal falado por aí, é o tipo de mulher que ou você ama, ou você odeia. Ela não é de meios termos. Intensa, romântica e sensual, ela gosta de amores e paixões ardentes. Não dispensa um bom sexo, que para ela é de grande importância, mas, diferente das arianas, gosta do sexo envolvente, que vem com paixões românticas e um clima que abarca todos os sentidos. É difícil ganhar de verdade o coração de uma escorpiana, mas se você conseguir, terá uma amante fiel e dedicada. Orgulhosa, dificilmente mostrará seus pontos fracos ou ficará bajulando você, a menos que tenha reciprocidade. É sensível e pode se magoar fácil, mas dificilmente deixará isso transparecer. Admira pessoas inteligentes e sinceras, e é leal às suas amizades.

E as sagitarianas? Aventureiras, não gostam que as podem nem que as impeçam de seguir por aí. Gostam de ter ao lado uma parceira de aventuras. Como todo signo de fogo, gostam do joguinho da conquista e tendem a se desinteressar se sentem que a outra pessoa está completamente na mão delas. Sabem ser quentes.

Mas, de todos os signos, o que eu aconselharia você a ter cuidado é com as capricornianas. Podem ser ótimas amigas, mas não a queira como inimigas. São, geralmente, falsas moralistas. Pregam o que acham certo, mas fazem o contrário às escondidas. São racionais, calculistas, sabem ser bastante agradáveis numa roda de amigos e mentir muito bem. E a maioria delas não acredita ‘nessa história de signos’. Orgulhosas e muitas vezes inseguras, são ciumentas e sensíveis, mesmo que não demonstrem. Podem ficar um tanto em cima do muro, mostrando ora querer, ora não querer mais.

Bom, falei um pouquinho do que pude constatar observando amigas, conhecidas e outras experiências que vivi por aí… Mas se quiser saber mais alguma coisa, pode sugerir um próximo tema para os posts ou perguntar nos comentários. ;D

Abraços, pessoal! Beijo #meliga , #mesegue , #mandaDM

By @patequila